O que é atrofia muscular?

Assine a nossa newsletter!

O que é atrofia muscular, algumas das suas causas, sintomas e como tratá-la com exercício físico e eletroestimulação.

Você tem problemas de fraqueza muscular e não sabe bem a que se devem ou como tratá-los? Talvez estejamos enfrentando um distúrbio chamado atrofia muscular. É o nome que se dá à perda ou desgaste de tecidos que, como consequência, leva à perda de força muscular e pode afetar negativamente o dia-a-dia de uma pessoa.

É uma patologia na qual as células nervosas do músculo esquelético são afetadas e, de fato, nos casos mais graves, pode gerar paralisia total ou parcial. Os músculos se desgastam progressivamente e quem sofre disso tem, com o passar do tempo, dificuldade crescente para realizar qualquer atividade física.

A atrofia muscular é o oposto da hipertrofia muscular, esta última refere-se ao hiperdesenvolvimento do músculo.

Se este é o seu caso ou conhece alguém nesta situação, deve saber que existem várias causas e que pode ser tratada facilmente. Isso não significa que em todos os casos possa ser resolvido, mas provavelmente pode ser melhorado. Nós dizemos-lhe mais!

Sintomas de atrofia muscular

Os sintomas da atrofia muscular aparecem de acordo com a evolução da própria atrofia. Ou seja, não há sintomatologia prévia. Também não podemos falar sobre os sintomas sempre aparecendo na mesma ordem ou da mesma maneira. Ainda assim, há algumas que podemos destacar como mais frequentes e constantes:

  • Dificuldade em realizar movimentos básicos e diários.
  • Sensação de fraqueza nas extremidades.
  • Fadiga mais frequente e após exercícios ou movimentos de baixa intensidade.
  • Redução da massa muscular nas pernas e braços.

Causas que causam atrofia muscular

A origem da atrofia nos músculos pode ser devida a várias causas. Determiná-los nem sempre é fácil, por isso o melhor é marcar uma consulta com seu médico de confiança para que ele lhe dê um diagnóstico preciso.

Algumas das causas mais comuns são:

  • Terapias prolongadas com corticosteróides.
  • Queimaduras.
  • Artrite reumatóide.
  • Desnutrição.
  • Distrofia muscular.
  • Osteoartrite.

No entanto, queremos destacar dois pela sua importância: o sedentarismo e algumas doenças cerebrais.

Inatividade física

Se você precisa ficar muito tempo em repouso ou não usa os músculos com certa regularidade, pode acabar sofrendo com a chamada atrofia fisiológica.

Por via de regra, afeta diferentes grupos de pessoas:

  • Aqueles que estão acamados (por exemplo, devido a doença ou convalescença) ou cujos movimentos são restritos.
  • Aqueles que não podem mover seus membros por diferentes razões, como uma doença cerebral, um ataque cardiovascular, uma fratura…
  • Pessoas cujo nível de atividade física é praticamente nulo e que trabalham sentadas. Isso é cada vez mais comum com o trabalho de escritório e teletrabalho ou home office.
  • Aquelas pessoas que ficam em ambientes sem gravidade por longos períodos de tempo, pois têm dificuldade de locomoção. Isso é algo muito comum entre astronautas ou em viagens espaciais.

Este tipo de atrofia pode ser revertido em muitos casos. A maneira de conseguir isso é praticando exercícios (aumentando gradualmente a intensidade) e comendo uma dieta adequada.

Doenças cerebrais

Esse tipo de atrofia é chamado de neurogênica e é o tipo mais grave. A origem pode ser uma doença ou uma lesão nos nervos que se conectam aos músculos. Ao contrário da anterior, que se deve à falta de uso frequente, ela acontece de forma mais repentina.

Além de doenças como a síndrome de Guillain-Barré ou a poliomielite, pode ocorrer devido a lesões na medula espinhal. Além disso, queremos dar ênfase especial a dois deles: esclerose lateral amiotrófica e lesões de nervos periféricos.

ELA

A esclerose lateral amiotrófica também é conhecida como ELA ou doença de Lou Gehrig. É uma doença degenerativa dos neurônios que controlam o movimento dos músculos voluntários.

10% dos casos de ELA têm origem genética e no resto o seu desencadeamento é desconhecido. Em ambos os casos, o que acontece é que os neurônios motores morrem ou se desgastam e, portanto, são incapazes de enviar mensagens aos músculos. Devido a isso, os movimentos tornam-se mais fracos e as habilidades são gradualmente perdidas.

A passagem do tempo causa espasmos, fraqueza muscular e incapacidade de mover pernas, braços e o resto do corpo. Essa condição piora lentamente e o maior problema aparece quando afeta a região torácica. Nesse ponto, mesmo os músculos da região do peito ficam muito difíceis de mover, dificultando ou até mesmo impossibilitando a respiração.

Danos nos nervos

Já lhe dissemos que as lesões da medula espinhal podem causar atrofia, mas não só. Às vezes, o que é lesado ou seccionado não é a medula, mas sim os nervos periféricos. Isso pode acontecer após alguns tipos de tumores, devido a golpes ou cortes. Tenha em mente que alguns nervos são muito superficiais, então esses cortes não precisam ser extremamente profundos.

E é que os nervos periféricos são os encarregados de comunicar o cérebro com o resto do corpo. Eles nos permitem sentir calor, frio, dor e, claro, também são eles que enviam as ordens do cérebro aos músculos. Se eles forem feridos, esmagados ou cortados, essas ordens não levarão você a lugar nenhum.

Imagine que você amarra uma corda a uma porta para poder abri-la do sofá. Tudo é muito confortável até que alguém chega e corta. Portanto, não importa o quanto você puxe, a porta não abrirá. Bem, a mesma coisa acontece com os músculos. Se o nervo estiver com problemas, não importa o quanto você tente comandar o músculo para contrair, isso não acontecerá. Como consequência, ao deixar de receber sinais, o músculo começará a se contrair por conta própria, causando espasmos e, posteriormente, parará de funcionar.

Algo diferente acontece se aquela corda de que falamos não for cortada, mas simplesmente danificada. Então estaremos diante de uma lesão nervosa que permite que as ordens cheguem ao músculo, mas não corretamente. Dependendo do tipo de lesão, haverá alguns sintomas ou outros.

Causas que causam atrofia muscular

Atividade física, o melhor tratamento para a atrofia muscular

Diferentes situações, como recuperar de uma lesão ou sofrer de uma doença, podem fazer com que você não use alguns músculos por um tempo e perca alguma massa muscular. Na verdade, você não precisa ficar muito tempo sem usá-los para que ocorra uma perda significativa de tecido.

Você pode ter que ficar imobilizado por alguns dias, em repouso na cama ou engessado. Em todas essas situações sua saúde metabólica pode ser comprometida. E é que a redução da massa muscular que ocorre é atribuída especialmente a uma menor síntese de proteínas musculares pós-prandiais e pós-absortivas.

Uma das soluções mais eficazes que podem ser tomadas nestas situações para perder o mínimo possível de massa muscular é realizar contrações por eletroestimulação ou (EMS).

As terapias EMS têm inúmeras vantagens e são recomendadas por atletas profissionais, fisioterapeutas e médicos para prevenir a perda de massa muscular a curto prazo. Alguns dos benefícios desta terapia são:

  • Colabora na reabilitação, promove a redução do movimento e previne a atrofia muscular.
  • Aumentar a força e a resistência muscular.
  • Fortalecer fibras e músculos para retardar ou reduzir a deterioração.
  • Tonifique os músculos.

Eletroestimulação para atrofia muscular

O uso mais frequente e relevante da eletroestimulação na reabilitação costuma ser para músculos paralisados. Saber otimizar ao máximo os equipamentos de eletroestimulação permite prevenir e tratar a atrofia muscular e outros problemas como a lombalgia.

Se você tem uma lesão que o impede de se mover normalmente, os músculos envolvidos na lesão caem em desuso. Como já vimos, a consequência de não usá-los é que correm o risco de atrofiar.

Para evitar esse problema, um bom equipamento de eletroestimulação pode ser adaptado às necessidades pessoais e estimular músculos paralisados ou não utilizados. Assim, equipamentos eletroestimuladores aplicados corretamente em tratamentos de reabilitação facilitam o trabalho dos músculos de forma involuntária, sem que o paciente os movimente.

Que benefícios podem ser obtidos com isso?

Entre as vantagens mais importantes da eletroestimulação, destacam-se:

  • Diminuir o tempo de recuperação: O uso da eletroestimulação nas sessões de reabilitação favorece o bem-estar dos pacientes. Evitar o aparecimento da atrofia muscular é melhor do que tratá-la posteriormente.
  • Evite danos graves: Se você já tem uma lesão complicada, através do EMS você evita adicionar um problema maior, como a atrofia. Da mesma forma, também nos ajuda a evitar o encadeamento de problemas adicionais em outras áreas da musculatura.
  • Evite más posturas: Pacientes acamados ou com pouca mobilidade costumam adotar hábitos e posturas ruins para evitar mais dores no local lesionado. Com o EMS estaremos melhorando sua qualidade de vida e poderemos prevenir lesões na cadeia.

Em resumo, graças à eletroestimulação, você pode evitar e prevenir problemas derivados da atrofia muscular. Se você deseja ser informado sobre temas relacionados a isso, assine nosso blog.

O que é atrofia muscular, algumas das suas causas, sintomas e como tratá-la com exercício físico e eletroestimulação.

Comparte este post:

[geot_country_name]